Nutrição Geral - Nutrição Clínica


A nutrição na doença celíaca

O tratamento e controlo da doença celíaca fazem-se sobretudo ao nível da alimentação, devendo o doente eliminar todos os produtos que contenham glúten. Esta tarefa pode não ser tão linear como parece.

A doença celíaca, também chamada de sprue não tropical e conhecida como intolerância ao glúten, é uma doença causada por uma hipersensibilidade da mucosa do intestino delgado, ao glúten, uma substância proteica presente em alguns cereais. Trata-se de uma reacção ao glúten, mais precisamente à gliadina, um componente daquela proteína.

Normalmente, os sintomas começam na infância, mas a doença também pode surgir nos adultos. Os primeiros sintomas incluem perturbações de estômago como diarreia e vómitos, anemia, perda de peso e deficiente desenvolvimento (estes 3 últimos, resultado de uma severa malabsorção).

Em pessoas sensíveis, o glúten provoca lesões nas vilosidades da mucosa que reveste os intestinos, inibindo a absorção de alguns nutrientes.

Após o diagnóstico da doença (através de uma biopsia à mucosa do intestino), o tratamento consiste em manter o doente numa dieta isenta de glúten.

Dieta isenta de glúten…

Eliminar o glúten significa eliminar alguns cereais como o trigo, o centeio, a aveia e a cevada. Estes alimentos devem ser substituídos por outros que não contenham glúten, como os cereais milho e arroz, a batata, as leguminosas, a tapioca e araruta. A dieta deve ser equilibrada com legumes e fruta fresca e seca, ovos, leite, queijo, iogurtes, para além da carne e peixe.

À primeira vista, pode parecer fácil eliminar os cereais com glúten, mas se considerar a quantidade de alimentos feitos com esses cereais, ou os produtos da indústria alimentar que utilizam ligantes e espessantes à base de trigo, entre outros, percebe que a tarefa pode complicar-se.

É fundamental que o doente adquira o hábito de ler os rótulos nutricionais de produtos transformados, e aprenda a consultar a lista de ingredientes para averiguar a presença de algum cereal não permitido.

Alimentos facilmente identificáveis como fonte de glúten….

Existem centenas de alimentos que contêm glúten, e que “facilmente” podem ser excluídos: o pão, massas, bolos, bolachas, tostas, tartes, cereais de pequeno-almoço são, na maior parte das vezes, feitos com farinha de trigo e/ou farinhas de qualquer um dos outros cereais proibidos (aveia, centeio e cevada).

Armadilhas para o doente celíaco…

É bom lembrar-se que o glúten pode estar presente num alimento como ingrediente básico (ou seja, no trigo, aveia, centeio ou cevada) ou pode ser adicionado quando o alimento é processado. Sendo assim, ler cuidadosamente os rótulos dos alimentos, é muito importante para quem sofre de doença celíaca.

A um doente ou consumidor menos atento, não lembraria que uma costeleta panada ou qualquer outro panado, um croquete, algumas salsichas enlatadas, determinadas bebidas de leite achocolatadas ou 1 cerveja, entre muitos outros, contêm glúten.

Segue-se uma lista de alimentos a evitar por conterem glúten (nos produtos assinalados com *, deve verificar a lista de ingredientes no rótulo):

  • Pães, massas, bolos, bolachas e afins, feitos com farinha de trigo, aveia, centeio ou cevada;
  • Cereais prontos a comer que contêm trigo, aveia, cevada, centeio, farelo de trigo, malte, gérmen de trigo, amido de trigo, painço ou amaranto;
  • Leite maltado, Ovomaltine, algumas bebidas achocolatadas comerciais (*), alguns cremes para barrar (*), algumas sobremesas lácteas (*);
  • Carnes transformadas e preparadas com algum dos cereais, como salsichas, bolonhesa e carbonara prontas a consumir, croquetes, panados, atum enlatado com vegetais, refeições prontas a comer que contenham molho branco (* em todos);
  • Alguns molhos de salada comerciais (*), a maioria das sopas enlatadas e instantâneas, pudins instantâneos e a maioria dos doces comerciais (*), aperitivos (*);
  • Cerveja, whisky, gim, vinagre branco destilado.

Pode sempre preparar os seus próprios bolos utilizando farinha e amido de milho, farinha de batata, farinha de arroz ou farinha de soja; para engrossar molhos utilize o amido de araruta, maisena ou amido de tapioca.

Apesar das muitas limitações, o doente celíaco consegue ter uma boa qualidade de vida se, de facto, eliminar os alimentos que contêm glúten.

 

 

Abrir para Impressão... Enviar a um amigo... Topo Voltar