Nutrição Geral - Nutrição Clínica


Cuidados nutricionais na anemia

Existem vários tipos de anemia e as causas são muito variadas. Normalmente, deficiências em ferro, ácido fólico ou vitamina B12 podem levar a diferentes tipos de anemia.

Quando o sangue contém um número de glóbulos vermelhos menor do que é normal, estamos perante uma situação chamada anemia.

As principais causas desta redução de glóbulos vermelhos são:

- Uma dieta deficiente em ferro, ou perdas anormais de sangue (no caso de fluxo menstrual muito abundante ou hemorragias internas), e dá origem à anemia ferropénica;

- Dieta pobre em ácido fólico ou vitamina B12 (ou uma incapacidade de absorver a vitamina B12), o que origina uma anemia megaloblástica;

- Destruição rápida de glóbulos vermelhos, sem uma substituição atempada (no caso da anemia falciforme);

- Reduzida produção de glóbulos vermelhos (no caso da leucemia)

Quando a anemia se deve a deficiência de ferro...

A forma de anemia mais comum é aquela resultante da deficiência de ferro (anemia ferropénica). As causas são geralmente uma carência de ferro na alimentação, uma exigência maior de ferro (como na gravidez) ou perdas excessivas de ferro.

Para assegurar uma ingestão adequada de ferro deve conhecer os alimentos mais ricos neste mineral. Importa referir que o ferro pode ser fornecido por alimentos animais ou vegetais, sendo aquele dos produtos animais (ferro heme) mais eficazmente absorvido.

As maiores quantidades de ferro encontram-se em produtos como o fígado de vaca e de porco, a carne em geral (mas em especial a vermelha), as aves, o peixe, o marisco e os ovos. O ferro não heme encontra-se nos legumes de folha verde, damascos, ervilhas, feijões, lentilhas, frutos secos (figos, ameixas e alperces, secos) e cereais enriquecidos.

Os alimentos ricos em vitamina C facilitam e aumentam a absorção do ferro dos produtos vegetais. A maioria dos legumes e muitas frutas são excelentes fontes de vitamina C. As principais fontes são os brócolos, couve-de-bruxelas, couve-flor e couves de uma forma geral, pimento, tomate, citrinos (laranja, limão, tangerina, toranja), acerola, goiaba, kiwi, morango, mamão, etc.

Assim, lembre-se de ingerir um alimento rico em vitamina C juntamente com as refeições onde ingira alimentos ricos em ferro de origem vegetal.

Os inibidores da absorção do ferro…

As bebidas que contêm taninos, como o chá e em menor quantidade o café, devem ser evitadas à refeição ou juntamente com alimentos ricos em ferro, uma vez que o tanino se combina com o ferro, formando um composto insolúvel, que não é absorvido.

Os alimentos ricos em oxalatos tornam igualmente inacessível o ferro, impedindo a sua absorção. Ao contrário do que se diz às crianças, o espinafre não é, de longe, o alimento mais rico em ferro, para além de que o ferro que possui se encontra ligado a oxalatos, o que o torna pouco acessível. Outros alimentos ricos em oxalato são o ruibarbo, a acelga e o chocolate.

Os fitatos estão associados às fibras das leguminosas, cereais integrais crus, nozes e sementes. Os fitatos presentes em alimentos, sobretudo crus, como o farelo de trigo, têm sido responsabilizados por "sequestrar" uma quantidade de minerais como o ferro, zinco e cálcio dos alimentos, impedindo a sua absorção.

O problema existe principalmente no farelo cru, uma vez que em processos específicos de preparação dos alimentos (imersão das leguminosas em água, acção do fermento no pão, germinação das sementes e leguminosas, cozedura dos cereais, torrefacção das nozes), parte dos fitatos é destruída por enzimas (fitases).

Desta forma, o poder de impedimento da absorção dos minerais fica diminuído, não constituindo problema.

Quando a anemia se deve a deficiência de ácido fólico...

Uma diminuição de ácido fólico disponível ao organismo, pode causar um outro tipo de anemia, a anemia megaloblástica. O ácido fólico é essencial para o metabolismo dos aminoácidos bem como para a formação de glóbulos vermelhos saudáveis. Se existe uma deficiência desta vitamina, os glóbulos vermelhos produzidos são anormalmente grandes e têm um curto período de vida.

Como o ácido fólico é uma vitamina hidrossolúvel, não pode ser armazenada em quantidades suficientes para períodos de carência. Assim, a dieta deve reabastecer o organismo com ácido fólico, de uma forma regular e diária. As reservas de ácido fólico esgotam-se em cerca de 3 meses se a dieta for deficiente.

Os grandes consumidores de bebidas alcoólicas apresentam muitas vezes uma deficiência de ácido fólico, uma vez que o álcool interfere com a absorção da vitamina.

Em mulheres grávidas ou que pretendam engravidar, as necessidades de ácido fólico são maiores, sendo aconselhado tomar um suplemento para evitar defeitos congénitos da espinal medula.

O ácido fólico encontra-se no fígado, nos legumes de folha verde (brócolos, espargos, nabiças, espinafres, etc.), sumo de laranja, cereais fortificados e leguminosas (feijão, lentilhas, etc.).

Quando a anemia se deve a deficiência de vitamina B 12...

A deficiência de vitamina B12, tal como a de ácido fólico, causa uma anemia chamada megaloblástica.

Muitas pessoas, principalmente idosas, apresentam níveis de vitamina B12 no sangue abaixo de normal. Esta situação é devida, na maior parte das vezes, a uma incapacidade de absorção da vitamina, e em menor número, a uma deficiência de vitamina B12 na alimentação (os vegetarianos puros, ou seja, os que não consomem qualquer tipo de produto animal, e que não tomam suplemento adequado, apresentam grandes riscos de deficiência de vitamina B12)

Outra causa frequente para a deficiência de vitamina B12 é a anemia perniciosa, uma doença autoimune em que o sistema imunitário ataca as células do estômago, diminuindo a quantidade do chamado factor intrínseco, uma proteína essencial para que a vitamina B12 possa ser absorvida dos alimentos.

Na natureza, a vitamina B12 encontra-se essencialmente em alimentos de origem animal. Os mais ricos são o fígado e rins, carne em geral, peixe e produtos do mar, ovos, leite, queijo e iogurtes.

 

 

Abrir para Impressão... Enviar a um amigo... Topo Voltar